Sousa Lobo com Chilli duplo

Foi lançado oficialmente no dia 1 de Novembro na Galeria Kamm, em Berlim, The Dying Draughtsman / O Desenhador Defunto de Francisco Sousa Lobo, o primeiro livro de BD a solo da Colecção CCC.

Francisco Sousa Lobo  vive em Londres desde 2005. Faz banda desenhada desde 1980, mas a sua estreia em livro foi em 2003 num número da Lx Comics, a coleção de novos autores da Bedeteca de Lisboa. Estudou e praticou arquitectura durante dez anos. Actualmente, trabalha em artes plásticas e banda desenhada, com exposições em Inglaterra e Portugal. Está a realizar o seu doutoramento no Goldsmiths College, sendo o mesmo denominado “Crise de Significado, Crise de Forma”. Participou em vários jornais universitários e no Público. Também publica nas áreas da crítica artística e estética. Na Chili Com Carne participou no fanzine “Mesinha de Cabeceira / CapitãoCrica Ilustrada” e no “Zona de  Desconforto”.

A personagem  assombra galerias mas é também um estranho no mundo da arte. Está a cair em depressão, e procura uma saída, por isso visita essa autoridade que é o mundo da arte. O resultado é uma visão estrábica do mundo da arte, ou pelo menos do panorama das galerias comerciais de Londres. Nessa autoridade, como em toda a autoridade, vê a ira de Deus, um terreno infértil e muito poucas respostas. Como ele próprio diz, vê-se a si mesmo em todo o lado – numa escultura humilde, num barco que atravessa o Atlântico. A sua identidade é perfurada, quando entra em psicose, e assim torna-se de certa forma o perfeito espectador.

€15, 120 pág., duas cores, 16x23cm, capa duas cores, edição brochada ISBN: 978-989-8363-22-0

A obra é editada em formato bilingue, à semelhança de outras da Chilli Com Carne, com o texto em inglês e o texto em português em nota de rodapé.

No próximo ano a Chilli Com Carne deverá editar outra obra de Francisco Sousa Lobo, “The Care of Birds / O Cuidado dos Pássaros”, romance gráfico de 150 páginas que venceu a campanha de angariação de sócios o concurso interno da Chilli Com Carne “Toma lá 500 Paus e Faz uma BD”.

Ao contrário da maioria dos restantes concursos, o “Tome lá 500 Paus” garantiu a publicação do trabalho do autor, embora tenha um prémio monetário menor que a maioria dos restantes concursos e que pedem só 4 páginas de trabalhos, convém fazer a ressalva que o prémio que acaba por ser os direitos de autor que uma editora eventualmente pagaria por uma obra editada.

Written By
More from Bruno Campos

Sérgio Godinho vira herói de BD em O Elixir da Eterna Juventude

O jornal Público estreia-se na co-edição de BD inédita de autores portugueses...
Read More

1 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *