Randy Stradley (Dark Horse, Star Wars) na Comic Con Portugal

O editor que veio de uma "galáxia longinqua" para fazer avaliação de portefólio na Comic Con Portugal 2014

A Comic Con Portugal continua a tirar coelhos da cartola, e desta vez é um galáctico ligado ao universo de Star Wars: Randy Stradley, argumentista e Vice-President of Publishing ["vice-presidente de publicação”] da Dark Horse.

Stradley vai estar presente na Exponor para realizar “porfolio review”, o que em Português se poderia traduzir por crítica de portefólios, ou (talvez mais correctamente) como avaliação de portefólios uma vez que – para além de serem dado criticismo aos potencias artistas sobre o seu trabalho – as “portfolio reviews” também servem para os editores poderem descobrir novos talentos.

Randy Stradley iniciou a sua carreira na BD em 1984, no número 86 da revista Star Wars editada pela Marvel, mas seria dois anos mais tarde que se envolveria no “seu” projecto mais bem sucedido: Dark Horse Comics.

64225_20061002083838_largeFundada por Mike Richardson, em 1986, a Dark Horse era um pequena editora que se veio a tornar uma das maiores editoras norte-americanas publicando, entre outros, nomes com Frank Miller, Paul Chadwick, ou Mike Mignola e adaptando para a BD obras populares do cinema e TV como Aliens, Predador, Buffy – The Vampire Slayer ou Star Wars.

Stradley foi editor e co-argumentista (juntamente com Mike Richardson e James Dean Smith) de “Boris, The Bear”, o primeiro título editado pela editora do cavalo negro. No final da década de 80 (do sec. XX), após o sucesso das Tartarugas Ninja, os EUA foram invadido por uma várias séries de personagens antrapormórfica, que tentavam replicar esse exito. O urso, criado Dean Smith, não teve um sucesso retumbante das tartarugas de Eastman e Laird, ou sucesso modesto como Usagi Yojimbo. Contudo teve a honra de ser o primeiro título de uma editora que foi crescendo gradualmente até se cimentar como uma das 5 maiores editoras norte-americanas.

Na Dark Horse, Stradley foi editor de diversos títulos como Sin City (de FrankMiller) ou Concrete (de Paul Chadwick), contudo é mais conhecido pela sua ligação às revistas de Star Wars, onde se tornou no editor principal (Senior Editor) em 2002.

Em 1991 a Dark Horse Comics adquiriu a liçensa para publicar revistas de BD de Star War à LucasFilm. A popular série cinematográfica (da qual Stradley and Richardson eram fãs assumido) já tinha sido publicada em BD pela Marvel entre 1977 e 1986. Apesar de, segundo – o EIC (editor-in-chief) da Marvel – Jim Shooter, as fortes vendas do título de Star Wars terem salvo financeiramente a Marvel em 1977 e 1978, na década de 80 o título tinha perdido vendas e qualidade, incluindo história que eram incongruentes e contradiziam o universo cinematográfico da Guerra das Estrelas.

A Dark Horse iniciou a publicação de Star Wars, em 1992, com a mini-série Dark Empire (publicada em Portugal no volume 42 da colecção Comics Star Wars). Escrita por Tom Veitch e ilustrada por Cam Kennedy, esta mini-série seria sucedida por duas sequelas, outras mini-séries, edições especiais e outras revistas mensais, tendo-se transformado numa das linhas mais rentáveis desta editora. Um sucesso que termina abruptamente este ano com o regresso anunciado de Star Wars à Marvel, por um motivo meramente económico.

A aquisição da Marvel e da Lucasfilm pela Disney tornou (quase) inevitável o regresso da “licença” à Casa das Ideias, para maximizar os lucros do gigante norte-americano, publicando esse material numa das suas editoras e sem recorrer a um prestador de serviços externos. Termina deste modo (este ano) uma ligação de duas décadas da Dark Horse ao universo criado por George Lucas, e do qual a editora ajudou a expandir.

As edições da Dark Horse não se limitaram a meras adaptações de material pré-existente, tendo tornado-se parte integrante do “Universo Expandido” da Guerra das Estrelas, que será revisto devido ao lançamento do próximo filme: Star Wars – Episode VII.

Para além de editor, Randy Stradley, tem continuado a escrever ocasionalmente argumentos para as principais liçensas da Dark Horse: Aliens Vs Predator, Godzilla ou (obviamente) Star Wars. Algumas das suas histórias estão publicadas na colecção Comics Star Wars, em volumes como Império Vermelho (1 e 2) e Darth Maul. Contudo não é devido ao seu trabalho como argumentista que se deve a sua vinda a Portugal, mas sim ao seu papel enquanto editor e “caça-talentos”, à semelhança de C.B. Cebulski, editor da Marvel que teve papel fulcral na internacionalização de autores Portugueses.

Embora, nem sempre com efeitos imediatos – como André Lima Araújo e Jorge Coelho atestam – a passem de C.B. Cebulski por Portugal, no AmadoraBD, foi uma oportunidade de um contacto como o editor, que viria a ter frutos mais tarde, com a contratação dos artistas para a Marvel.

Apesar de actualmente já ser possível aos artistas chegarem às grandes editoras, sem sairem de frente do PC, o “porfolio review” é uma oportunidade para um contacto directo com os editores, e para receber feedback de trabalho realizado emitido por um editor habituado a lidar com grandes nomes da BD.

Esta vinda de Randy Stradley a Portugal acaba por ser uma oportunidade para os autores portugueses que pretendam fazer BD a tempo inteiro, e não só como hobby, de mostrarem o seu trabalho a um dos editores de uma das maiores editoras norte-americanas.

Tags from the story
, , ,
Written By
More from Bruno Campos

AmadoraBD: Sérgio Godinho é relevante?

Eu sei que a resposta é evidente, mas existiu alguém que se...
Read More

2 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *