O Quarto Mundo de Jack Kirby

Uma portentosa saga que se tornou num marco e elemento fundamental do Universo DC.

A saga épica dos Novos Deuses de Jack Kirby, uma das maiores obras de banda desenhada de todos os tempos, começou em 1971, na DC Comics nas páginas de uma das mais improváveis revistas da altura, Superman’s Pal Jimmy Olsen nº 133, o primeiro título onde Kirby trabalhou no seu regresso à DC.

Quarto Mundo de Jack Kirby

Desiludido pelo pouco reconhecimento (crítico e material) do seu contributo para a criação do universo Marvel, quando comparado com a atenção dedicada a Stan Lee, Kirby decide trocar a Marvel pela DC no início da década de 70, regressando assim à casa para onde já tinha trabalhado com alguma regularidade durante as décadas de 40 e 50.

Ao chegar à Distinta Competição da Casa da Ideias, Kirby perguntou aos editores da DC: “Qual é a revista que está que está a vender menos?” Quando lhe responderam que era a revista de Jimmy Olsen, Kirby solicitou que lhe entregassem o título e foi construindo esse título até se transformar numa revista vendável.

Quarto Mundo de Jack Kirby

Na DC, contando com total liberdade e autonomia, Jack Kirby começou a contar a história do Quarto Mundo, criando uma mitologia de ficção-cientifica que gira em torno de antigas divindades do espaço: Os Novos Deuses.

Os Novos Deuses usam os seus poderes na luta sem fim entre o bem e o mal – tema central do Quarto Mundo – representados por Nova Génesis e Apokolips, dois mundos opostos, nascidos do conflito cósmico que levou à queda dos Velhos Deuses e ao aparecimento dos Novos.

Para pôr um termo à guerra sem quartel que ameaçava destruir galáxias, Izaya, o Pai Celestial de Nova Génesis, e o impiedoso Darkseid de Apokolips, decidem trocar filhos como reféns, de modo a assegurar uma trégua. Assim, Órion, o filho de Darkseid vai ser criado em Nova Génesis, enquanto Scott Free, o filho de Izaya, é enviado para Apokolips.

Este momento fulcral da história do Quarto Mundo é narrado em O Pacto, o episódio que abre álbum Quarto Mundo: Génesis e Apolopips, e que o próprio Kirby considerava como a sua melhor história de sempre.

Apesar de Kirby não ter conseguido contar a história completa que queria, da maneira como queria – a DC cancelou a série pouco depois, forçando Kirby a resumir o seu final – o impacto do Quarto Mundo no universo DC é incontornável. Basta ver esta colecção Super-heróis DC, editada pela Levoir, onde Darkseid é a ameaça principal dos volumes dedicados à Liga da Justiça e à Legião dos Super-Heróis, para perceber o alcance e a dimensão do génio de Kirby, que se foram propagando ao longo das décadas.

Quarto Mundo de Jack Kirby

Os leitores portugueses tiveram a possibilidade de ler parte desta vasta saga, com a edição em 2016 de O Quarto Mundo: Génesis e Apokolips, um volume editado pela Levoir com uma selecção de histórias que nos dão uma de várias linhas narrativas que é possível seguir, e que serve de primeira abordagem a uma das maiores obras de banda desenhada de todos os tempos.

Nesse volume após inúmeras batalhas para lá do universo conhecido, o confronto cósmico entre os deuses de Nova Génesis e Apokolips chegou à Terra, onde o temível Darkseid busca a Equação Antivida. O poder do Quarto Mundo é então desencadeado em toda a sua fúria, e apenas heróis como Órion e o Povo Eterno poderão salvar o planeta.

Quarto Mundo, editado pela Levoir, é um dos poucos caso em que existe uma edição dedicada em exclusivo a um dos autores fundamentais da BD norte-america, o qual criou – a solo e em parceria – alguns dos personagens mais populares da actualidade.

Tags from the story
,
Written By
More from Redacção

Cavazzano, LaFuente e Larraz na Comic Con Portugal

Giorgio Cavazzano, David LaFuente e Pepe Laraz são as mais recentes confirmações...
Read More

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *