Parker, O Caçador de Darwyn Cooke

Darwyn Cooke é um autor que teve uma carreira curta, mas fulgurante, sendo Parker uma lição de técnica narrativa.

Apesar de ter publicado a sua primeira história em 1985, só no ano 2000, aos 38 anos, é que Cooke abraçou a carreira de autor de BD.

Antes de se dedicar à BD o autor canadiano trabalhou como director de arte, designer gráfico e designer de produção. Em 1996 começou a trabalhar como artista de storyboards para Batman: The Animated Series e Superman: The Animated Series, tendo posteriormente trabalhado em Men in Black: The Series.

Em 2000 publica o seu primeiro romance gráfico: Batman: Ego, pela DC Comics, o qual foi seguido por colaborações em títulos como X-Force, Wolverine/Doop, Spider-Man’s Tangled Web e Just Imagine.

Em conjunto com Ed Brubaker começa a trabalhar com a Catwoman nas páginas de Detective Comics na história “Trail of the Catwoman“. Foi o balão de ensaio que iria dar origem a uma nova série mensal da personagem, onde Brubaker e Cooke a reinventaram por completo. Cooke ilustrou os primeiros quatro números da nova série, tendo em 2002 ilustrado e escrito uma prequela, O Grande Golpe de Selina, que foi editado em Portugal pela Levoir.

Parker, O Caçador de Darwyn Cooke

O Renascer do Optimismo

Em 2004 o autor realizou aquela que é uma das suas obras primas: DC: The New Frontier, uma série limitada de seis números onde narra os eventos que ocorreram no universo DC no período de transição entre a Época de Ouro e a Era de Prata da BD norte-americana.The New Frontier foi um dos trabalhos mais aclamados e premiados de Cooke, tendo sido adaptado para o cinema de animação pela Warner Bros.

Apesar do traço retro e desenrolando-se no passado The New Frontier foi uma lufada de ar fresco na BD norte-americana, porque era uma antítese da BD de super-heróis da década precedente. Na década de noventa do século vinte a banda desenha norte-americana foi marcada por conteúdos sombrios e hiper-violentos, protagonizados por heróis cheios de cicatrizes físicas e emocionais. Era um mundo sombrio que aspirava a ser mais realista, como se os dois conceitos fossem equivalentes.

Em The New Frontier existe um renascer dos heróis optimistas e do idealismo que marcava a BD de super-heróis da década de 50 e 60. Essa redescoberta por parte de Cooke da luminosidade, cor e idealismo original dos super-heróis, aliado a um traço retro – embora intemporal – que evoca uma era passada, foram elementos que caraterizaram a obra do autor e tornaram algo surpreendente quando foi anúnciado que Cooke iria adaptar alguns dos romances de Parker para BD.

Parker, O Caçador de Darwyn Cooke

Um anti-herói original

Em 1962, o ano de nascimento de Cooke, o escritor Donald E. Westlake, sob o pseudónimo de  Richard Stark, publicou o primeiro dos romance protagonizados por Parker, um dos anti-heróis originais da ficção policial. Criminoso de carreira, Parker não é um herói, nem Stark o apresenta como tal. Ele é só o protagonista dos romances e as suas acções estão longe de terem uma justificação honrada. A vingança e a ganância são as suas principais motivações, sendo que o personagem consegue ser tão ou mais violento que os outros criminosos que enfrenta.

Em termos temáticos Parker é o oposto da obra anterior de Cooke, e artisticamente parecia ser uma combinação destinada a  falhar, mas que resulta devido às opções que o autor tomou. Em Parker as cores vibrantes que caracterizavam os outros trabalhos de Cooke estão ausentes, sendo substituídas pelo preto e branco simples, só com a aplicação de uma cor: verde no original e cinzento na edição portuguesa de O Caçador.

Apesar de o traço de Cooke manter a estrutura que o caracteriza, a arte-final é mais rasurada, frenética e imperfeita. É uma mudança simples mas que ajuda a criar um ambiente mais negro e violento que se adequa na perfeição ao universo retratado.

Adaptação, transformação e tradução

A adpatação de um romance a um linguagem gráfica implica por regra a necessidade de cortar elementos, contudo sente-se que aquilo que Cooke cortou não faz falta. Apesar de não ter lido o romance original, a complexidade narrativa existente e a própria caracterização dos personagens não deixa no leitor a sensação de que ficou algo de fora, devido às opção narrativas que foram tomadas.

O Caçador inicia-se com uma sequência genial de 20 páginas sem diálogo onde somos introduzidos ao mundo de Parker e ao personagem. É uma opção algo surpreendente, em particular na adaptação de um policial hardboiled, mas Cooke consegue só com imagens transmitir as emoções e introduzir o leitor à realidade da cidade,de um modo em que a utilização de texto descritivo iria ser algo redundante.

Apesar de Cooke utilizar outras sequências  silenciosas ao longo do álbum, não se imiscui de utilizar cartuchos de narração e dar preponderância ao texto em outras circunstâncias. Esse é um dos elementos que torna O Caçador numa lição de narrativa gráfica. Cooke utiliza diversas técnicas narrativas para transmitir da maneira mais eficaz os diversos arcos narrativos e elementos da história.

Existem sequências narrativas silenciosas, preponderância da narração, flashbacks, acção linear, sequências conduzidas pelo diálogo e, em outras circunstâncias, a utilização de um elemento que caiu em desuso na BD actual: o narrador omnipresente.

A Inversão de Comparações

Em termos narrativos, o que pode ser mais decepcionante em O Caçador é fruto de ser a adaptação do trabalho de um escritor seminal do policial hardboiled. Isto significa que o trabalho de Westlake já foi tão copiado e imitado que existem poucos elementos aos quais não estejamos habituados ou sido já confrontados em outras obras.

Também é provável que o leitor até se tenha cruzado com o próprio Parker, sem ter consciência disso. Sete dos 24 romances que Parker protagonizou foram adaptados ao cinema, mas sem utilizar o seu nome. Filmes como Made in USA (1966), realizado por Jean-Luc Godard em 1966, Point Blank (1967) com Lee Marvin ou Payback (1999) com Mel Gibson são adptações dos romances de Westlake, que permitiu a adaptação das sua obras mas sem permitir a utilização do nome original do personagem.

O único filme em que o seu nome surge foi na oitava adaptação,  Parker com Jason Staham, que foi distribuido em 2013, alguns anos após o falecimento do autor.

A única adaptação que Westalake permitiu que utilizasse o nome original do personagem, foi a série Parker de Darwyn Cooke, do qual foi consultor embora tenha falecido em 2008 antes de ver o trabalho concluído.

Parker é um personagem maior do que a vida, uma força da natureza imparável que em algumas situações faz lembrar personagens como o Marv de Sin City. Contudo, essa é um referência que está invertida.

A série Sin City é uma homenagem hiper-estilizada que ao policial hardboiled, sendo que Parker é um dos originais desse género e, os apreciadores da série de Miller,  até vão encontar outros paralelismo com o trabalho de Westlake e Parker em particular.  Contudo, são paralelismos que apreciadores de outros trabalhos dentro do género policial também podem encontrar.

Convém relembrar, mais uma vez, que a maioria das comparações estão invertidas. É o Parker de Westlake que é a obra original, influente e copiada até à exaustão através de adaptações directas e indirectas.

É por esse motivo que a opção de Cooke em manter a acção localizada nos anos 60 resulta bem. Somos transportados para a época em que a personagem foi criada, sem que as virtudes que o trabalho possui sejam diluídas pela actualização ao tempos modernos.

O Caçador é um policial dos anos sessenta, realizada com os recursos técnicos e narrativos da banda desenhada do século XXI. É uma conjugação que cria uma obra intemporal.

Obra de Mestres

Apesar de não possuir reviravoltas inesperadas O Caçador está longe de ser um trabalho linear e simplista. Estruturado em quatro actos, o romance começa com a introdução de Parker e a sua motivação; no segundo acto ficamos a conhecer as motivações e versão dos acontecimentos de Mal, o antagonista; no terceiro acto existe o confronto invitável e no último acto Parker é confrontado com o homem que foi nos últimos 18 anos e aquele que ele pretende ser no futuro.

A escrita de Westlake é herdeira do pulps norte-americanos, escorreita, sem grandes preciosimismo literários, com diálogos concisos e um ritmo que prende o leitor. A informação vai sendo debitada num ritmo regular, construindo um mundo fascinante e complexo.

A arte de Darwyn Cooke revela-se um excelente complemento para a escrita de Westlake. O autor canadiano é capaz de criar personagens cujo carácter é revelado pelo seu aspecto, criando uma galeria de personagens memoráveis e distintos sem necessitar de utilizar mais que o aspecto que lhes concedeu e as acções que realizam ao longo da história.

Obra maior

O Caçador está entre os melhores trabalhos de Darwyn Cooke, o qual possuí poucas obras menores.  Cooke chegou tarde à BD e partiu cedo demais, tendo falecido em 14 de Maio de 2016, vítima de cancro. Nos curtos 15 anos em que realizou BD acumulou 14 prémios Eisner, e é um dos autores que vale a pena ler e conhecer, sendo o seu trabalho em Parker um dos mais importantes da sua curta carreira e dos mais premiados. A série Parker – composta por quatro álbuns, dos quais três já estão editados em português pela Devir – foi vencedora de sete Eisners, incluindo para melhor legendagem, a qual também foi realizada por Cooke.

O Caçador é uma  obra cuja edição se saúda e recomenda.

8 Argumento

10 Desenho

8 Cor

7 Produção

O Caçador é um policial dos anos sessenta, realizada com os recursos técnicos e narrativos da BD do séc. XXI, criando uma obra intemporal.

8.3
Written By
More from Bruno Campos

Um pequeno balanço de 2017

Terminou um ano que foi pelo menos, aparentemente, um bom ano para...
Read More

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *