Novela Gráfica: A Prova dos Nove?

Uma selecção algo bipolar mas que servirá para tirar a “prova dos nove” se a BD de autor e adulta pode ou não vingar no mercado português de BD. Próxima Quarta-Feira sai o primeiro livro. Talvez se faça História outra vez!

É deste modo algo extremo, como é seu apanágio, que o bibliotecário anónimo comenta a colecção Novela Gráfica da Levoir, é um modo bipolar de encarar a BD que se esquece da história e remete para um perigo, sobre o qual já tinha falado num comentário, quando se falava sobre as “pedradas no charco” da banda desenhada nacional.

O problema das pedradas no charco é que a pedra afunda-se, as ondas desaparecem e a malta depois queixa-se que as pedras não flutuam. Esta colecção, pelo que foi dado a conhecer, tem tudo para daqui a uns meses ser usada como argumento de que os leitores só querem mais do mesmo.

É uma boa selecção de autores e obras, mas não segue qualquer lógica de uma colecção convencional, parece é um plano editorial para uma editora “boutique”. Existem ali obras de 200 páginas em formato franco-belga em capa dura a 10 euros, isso é uma pechincha. Esses preços para não darem prejuízo precisam de de vender bastantes milhares de exemplares…

E esta colecção nem tem aquele bónus que estas colecções costumam ter: aspecto gráfico e formato uniforme que faz com que as pessoas até comprem os volumes todos, só para terem a colecção completa na estante. Um detalhe que até pode parecer irrelevante, mas ajuda a vender mais uns exemplares, e estas colecções – como qualquer edição comercial – só continuam enquanto forem viáveis financeiramente. A colecção Novela Gráfica acaba por funcionar mais como 12 lançamentos individuais, onde é provável que as vendas reflictam mais o interesse do público em determinadas obras/autores do que é habitual nestas colecções.

A banda desenhada portuguesa (e não só) têm o hábito de viver num eterno presente, esquecendo-se do seu passado e sem examinar os problemas sem ser pelo acessório, sendo poucos os casos em que se ousa questionar as opções, o modo como são concretizados os projectos, sendo colocado o ónus do seu falhanço no público, o sucesso esse tem sempre um dono mais fácil de individualizar.

A ideia de que não é possível publicar BD de autor e “adulta” em Portugal com “sucesso” é um mito, é tão difícil este “género” de BD ter sucesso como os restantes. Primeiro porque “sucesso” é um adjectivo que é difícil de quantificar no mercado nacional, afinal, o que é um “sucesso” no nosso mercado? Estamos a falar de álbuns que são editados sem dar prejuízo ou de um álbum que é um “sucesso de vendas”: vende milhares de exemplares, gerando grandes receitas? É que existem casos sucesso de BD de autor e “adulta” em Portugal, em ambos os critérios.

A Polvo tem vindo há décadas a editar obras de autor e “adultas”. Autores como Comés, Christin, Bilal, Moebius, Jodorwosky, Schitten, Peeter e outros estão editados quase na íntegra. Existe um mercado que é capaz de absorver obras mais “adultas”.  José Carlos Fernande foi um caso de sucesso comercial e de popularidade, com um BD de “autor e adulta”.Até que ponto é que esse mercado existe é que é uma incógnita, não existem dados oficiais sobre vendas, pelo que só é possível especular na maioria dos casos ou comentar com base na informação oficiosa que circula.

A própria colecção Novela Gráfica está longe de ser uma aposta no “escuro” ou algo completamente original, sobre a qual não existem qualquer tipo de dados que permitam aferir a sua viabilidade (ou não) comercial.

Só cinco álbuns são de autores inéditos em Portugal: A Viagem de Edmond Baudoin, A Arte de Voar de Antonio Altarriba e Kim, O Livro do Mr. Natural de Robert Crumb, Sharaz-de de Sergio Toppi e Bando de Dois de Danilo Beyruth. As restantes obras são de autores já editados anteriormente e sobre os quais existem dados sobre a sua validade comercial no passado.

Um Contrato Com Deus é uma da obras de referência de Will Eisner, um dos autores mais conceituados da BD internacional que tem a particularidade de, até agora, só ter tido obras “menores” editadas em Portugal. Sendo o criador do termo “graphic novel” – cuja tradução correcta para Português é romance gráfico e não novela gráfica – é compreensível o facto de ser o autor a abrir a colecção, embora do ponto de vista comercial não seja o autor desta colecção mais conhecido (e popular) da generalidade do público nacional.

A Louca do Sacré-Coeur é uma obra menos conhecida de dois autores bastante populares, conhecidos do público nacional e cujo trabalho se encontra publicado na sua maioria em Portugal: Jodorowsky e Moebius.

Apesar de não ser subscritor da linha clara, Jacques Tardi é um autor “clássico” da BD franco-belga, e Foi assim a Guerra das Trincheiras, não é a sua primeira obra ser editada em Portugal, onde já é conhecido devido à sua série mais conhecida, Adéle Blanc-Sec, ou através de outros álbuns a solo ou em parceria com Daniel Pennac.

Em Busca de Peter Pan é mais um trabalho de Cosey editado em Portugal, um autor que começou a ser publicado na revista Tintin e, inclusive, já viu trabalhos seus editados em outras colecções editadas com jornais.

O Diário do Meu Pai é um novo trabalho de Jirô Taniguchi a ser editado numa colecção publicada com um jornal.

Mort Cinder de Héctor Oesterheld e Alberto Breccia é, supostamente, a edição integral de uma obra cujo primeiro volume foi editado em Portugal pela Asa, editora que também publicou pelo menos outra obra de Breccia.

Miguel Rocha é o único autor português incluído nesta colecção, com uma obra editada anteriormente pela Polvo em Portugal e pela Devir em outros mercados. Sendo um dos mais aclamados autores portugueses, com várias obras editadas, Miguel Rocha está longe de ser um autor desconhecido ou sobre o qual não existam dados sobre o público que é capaz de captar. Segundo tenho conhecimento, os trabalhos de Miguel Rocha nunca atingiram as vendas de José Carlos Fernandes – um autor português de obras “adultas” que vendem –  agora, a verdade, é que o seu trabalho tem sido editado com regularidade.

Sendo uma aposta arriscada da Levoir, a colecção Novela Gráfica surpreende sobretudo pela sua falta de coerência, temática e de aspecto gráfico. Uma colecção só no formato livro, franco-belga ou norte-americano seria menos surpreendente do que esta colecção de obras distintas, em formatos distintos, de autores de diferentes latitudes.
Quando à generalidade dos autores, já são conhecidos do público nacional, colocar o ónus do sucesso da colecção nos leitores – esquecendo outros aspectos – é colocar a discussão no supérfluo esquecendo o essencial.

Para terminar: é possível comentarem este tópico sem falar de cuecas? Eu sei que roupa interior é um assunto que a malta gosta muito de discutir, mas como o aCalopsia é sobre BD e não roupa interior, podem ir comentar as opções de usar cuecas ou não para outro lado?

Written By
More from Bruno Campos

Um pequeno balanço de 2017

Terminou um ano que foi pelo menos, aparentemente, um bom ano para...
Read More

2 Comments

  • eu por acaso até sou de opinião que isto é pedrada no charco. mas concordo contigo: é coisa de epifenómeno. vai agradar a conhecedores, mas dificilmente deixará raizes, e recicla edições. mas mesmo assim, nada mal. o que torna esta colecção interessante é não estar nas livrarias, mas sim nas bancas. onde moro, numa típica vilória saloia onde o conceito de cultura implica doces regionais intragáveis, feiras e música pimba, não há cá sítios com edições da polvo. mas dei com três a vender esta colecção do público.

    • A vantagem das colecções de jornais é a distribuição nacional. Agora as colecções de jornais por si não me parecem ser uma maneira de resolver o problema da distribuição derivado às suas características. Sendo que neste caso o preço baixo das edições pode vir a ser prejudicial para o mercado caso depois exista a necessidade de colocar os álbuns no mercado livreiro onde se vai ter edições de capa dura com 200 e tal páginas a 10 euros a competir com outras edições com menos páginas e mais caras…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *