Crowdfunding: A Nau Negra de Fernando Relvas

A Nau Negra de Fernando Relvas aportou no Indiegogo para uma campanha de crowdfunding, com o objectivo de concluir a viagem de 100 páginas.

Com cerca de 50% das pranchas já concluídas, Fernando Relvas lançou uma campanha de Crowdfunding, através do Indiegogo, para financiar a conclusão da sua nova obra: Nau Negra. O trabalho que se encontra realizado até agora foi financiado pela venda de originais do autor.

Direccionada a a um público global, a campanha é realizada em inglês, apesar de a história ser bem portuguesa.

NAU tt1

Nau Negra – sinopse

Nos finais de 1608, a equipagem de dois Navios do Selo Vermelho japoneses, atracados no porto de Macau, envolveram-se numa rixa com portugueses. O Capitão-mor e dono da viagem anual ao Japão – feita pela grande nau conhecida como Kurofune ou Navio Negro – interveio e castigou duramente as tripulações japonesas.

O Daimio dono dos navios queixou-se ao Xogun e exigiu o apresamento do Navio Negro, quando este chegou a Nagasaki, no ano seguinte.

O Capitão-mor recusou-se a ser julgado pelo Xogun e barricou-se na nau. Aos primeiros dias de 1610 os homens do Daimio deram o assalto. A falta de vento e o facto da nau ter encalhado quando era empurrada pela corrente, transformou-a numa fortaleza sitiada. Foram três dias e três noites de luta furiosa, que culminaram com a explosão do paiol de pólvora e o afundamento da nau, com toda a sua valiosa carga, a maioria da tripulação e alguns dos atacantes.

A ameaça dos navios holandeses e ingleses acabaria por levar ao abandono gradual deste tipo de grande nau em favor de galeotas, mais baratas, mais pequenas e mais manobráveis. Uma década depois da explosão daquela nau, o último desses navios faria a viagem entre Nagasaki e Macau. Foi esta viagem tão triste e angustiada quanto aquela tinha sido dramática e heróica. Durante todo o mês de Janeiro e parte do de Fevereiro de 1618, a grande nau da prata e da seda andou às voltas à vista das terras do Daimio de Omura, sob a ameaça permanente dum invisível navio corsário holandês.
20140826143415-Ua12
O destino destes dois navios negros, grandes, bojudos e obsoletos, extravagantes como uma enorme baleia espetada de bandeirilhas, está não só ligado pela rota entre Macau e Nagasaki, pelo comércio da seda e da prata, pelos encontros e desencontros de culturas diferentes, pela sombra dos corsários e dos tufões, como também pelas cicatrizes do corpo e da memória do Barqueiro.

Mais informações sobre o projecto na página de crowdfunding no Indiegogo
Written By
More from Bruno Campos

Um pequeno balanço de 2017

Terminou um ano que foi pelo menos, aparentemente, um bom ano para...
Read More

3 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *