Crowdfunding: A Nau Negra de Fernando Relvas

A Nau Negra de Fernando Relvas aportou no Indiegogo para uma campanha de crowdfunding, com o objectivo de concluir a viagem de 100 páginas.

Com cerca de 50% das pranchas já concluídas, Fernando Relvas lançou uma campanha de Crowdfunding, através do Indiegogo, para financiar a conclusão da sua nova obra: Nau Negra. O trabalho que se encontra realizado até agora foi financiado pela venda de originais do autor.

Direccionada a a um público global, a campanha é realizada em inglês, apesar de a história ser bem portuguesa.

NAU tt1

Nau Negra – sinopse

Nos finais de 1608, a equipagem de dois Navios do Selo Vermelho japoneses, atracados no porto de Macau, envolveram-se numa rixa com portugueses. O Capitão-mor e dono da viagem anual ao Japão – feita pela grande nau conhecida como Kurofune ou Navio Negro – interveio e castigou duramente as tripulações japonesas.

O Daimio dono dos navios queixou-se ao Xogun e exigiu o apresamento do Navio Negro, quando este chegou a Nagasaki, no ano seguinte.

O Capitão-mor recusou-se a ser julgado pelo Xogun e barricou-se na nau. Aos primeiros dias de 1610 os homens do Daimio deram o assalto. A falta de vento e o facto da nau ter encalhado quando era empurrada pela corrente, transformou-a numa fortaleza sitiada. Foram três dias e três noites de luta furiosa, que culminaram com a explosão do paiol de pólvora e o afundamento da nau, com toda a sua valiosa carga, a maioria da tripulação e alguns dos atacantes.

A ameaça dos navios holandeses e ingleses acabaria por levar ao abandono gradual deste tipo de grande nau em favor de galeotas, mais baratas, mais pequenas e mais manobráveis. Uma década depois da explosão daquela nau, o último desses navios faria a viagem entre Nagasaki e Macau. Foi esta viagem tão triste e angustiada quanto aquela tinha sido dramática e heróica. Durante todo o mês de Janeiro e parte do de Fevereiro de 1618, a grande nau da prata e da seda andou às voltas à vista das terras do Daimio de Omura, sob a ameaça permanente dum invisível navio corsário holandês.
20140826143415-Ua12
O destino destes dois navios negros, grandes, bojudos e obsoletos, extravagantes como uma enorme baleia espetada de bandeirilhas, está não só ligado pela rota entre Macau e Nagasaki, pelo comércio da seda e da prata, pelos encontros e desencontros de culturas diferentes, pela sombra dos corsários e dos tufões, como também pelas cicatrizes do corpo e da memória do Barqueiro.

Mais informações sobre o projecto na página de crowdfunding no Indiegogo
Written By
More from Bruno Campos

Apocryphus Volume 2 no Fórum Fantástico

Um ano após a sua apresentação a antologia Apocryphus regressa ao local...
Read More

3 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *