O Amadora BD 2016 Começa Hoje!

A 27ª edição do Amadora BD, organizado pela Câmara Municipal da Amadora começa hoje às 21:30 no Fórum Luis de Camões.

Entre o dia 21 de outubro e 6 de novembro, a cidade da Amadora será mais uma vez a capital da BD, com um vasto programa de exposições e atividades a decorrer em torno da Nona Arte.

A programação concentra-se no Fórum Luís de Camões, contando ainda com outros eventos importantes em vários locais da Amadora e Almada.

No Fórum poderá visitar a exposição central sobre O Espaço e o Tempo na BD, uma exposição evocativa sobre os 70 anos do Lucky Luke, e uma exposição sobre o autor em destaque, Marco Mendes, vencedor do Prémio Melhor Álbum de Autor Português em 2015.

Haverá exposições sobre o processo criativo dos álbuns que ganharam Prémios no ano de 2015; e ainda uma exposição sobre o novo álbum Democracia (ed. Bertrand), que será lançado no Festival com a presença dos autores.

Finalmente, poderá ainda conhecer a obra do notável desenhador Pasquale Frisenda, autor da obra-prima Patagónia na exposição TEX e a BD de Pasquale Frisenda.

A par das várias exposições que decorrem no Fórum Luís de Camões, terá ainda a oportunidade para conhecer duas coleções privadas; de Rico Sequeira, em exposição na Galeria Artur Bual, que apresenta pranchas originais do séc. XX de várias obras norte-americanas e europeias como Tio Patinhas, Flash Gordon, Félix The Cat, Batman, Anita Diminuta e Superman; e de Glenn Bray, que retrata um dos mais importantes capítulos da história da banda desenhada moderna norte-americana, os Underground Comix.

Na Casa da Cerca  – Centro de Arte Contemporânea  vai estar patente a exposição 10×10 de Richard Câmara , onde uma obra literária do século XVI inspira um álbum de Banda Desenhada clássica do século XX, o qual por sua vez origina um projeto expositivo que o questiona no século XXI. Richard Câmara explora a memória visual para evocar ou negar a natureza narrativa das imagens, inspirando-se na adaptação d’ Os Lusíadas, desenhada por José Ruy e editada em meados dos anos 80, para desenvolver a exposição 10×10. O seu carácter efémero, colorista e abstratizante convida a redescobrir esta e outras sequências narrativas, numa interminável combinação de desenhos projetados em slides sem ordem pré-determinada.

Para além da visita às exposições, as razões são muitas para ir até à Amadora durante estes dias, já que o Festival oferece um vasto programa de atividades, para pequenos e graúdos, entre workshops, visitas guiadas, cinema de animação, apresentações e lançamentos e uma Feira do Livro onde as editoras dedicadas ao mundo da BD e da Ilustração terão à venda as mais recentes novidades.

Tags from the story
Written By
More from Bruno Campos

Um pequeno balanço de 2017

Terminou um ano que foi pelo menos, aparentemente, um bom ano para...
Read More

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *