A Nova Vida de Penim Loureiro

Penim Loureiro é um "novo" autor português que aos 50 anos renasceu para a BD com o álbum Cidade Suspensa, editado pela Polvo.

Num país como Portugal em que existe um mercado de BD – débil – existem estreias prometedoras que deixam um travo a amargo na boca dos leitores. Os supostos novos autores estão longe de serem novos, não estamos perante um jovem talento de emergente de 20 anos. A promissora estreia é de um adulto com uma longa experiência de vida, que lhe permite boas obras, mas deixa sempre a dúvida: que autor de BD poderíamos terse o mercado nacional fosse diferente e proporcionasse aos autores a possibilidade de desenvolverem uma carreira desde tenra idade, como seria natural?

Um bom exemplo é Paulo Monteiro que se “estreou” na BD aos 43 anos, com o álbum “O Amor Infinito Que Te Tenho e Outras Histórias”, editado pela Polvo em 2010. Um álbum galardoado com diversos prémios nacionais e internacionais, sendo o álbum de BD português mais traduzido de sempre. Que autor seria Paulo Monteiro noutro mercado? Nunca o saberemos. Só poderemos saber que autor será nesta realidade em que vivemos, em que a produção dos autores está dependente do espírito do seu sacrifício, para se dedicarem no tempo livre a uma arte que não lhes garante o retorno financeiro necessário para viverem.

Um caso semelhante sucede agora com outro “novo” autor, agora também editado pela Polvo, Penim Loureiro. A comparação pode não ser justa, porque o álbum só agora foi editado, mas os autores pertencem quase à mesma faixa etária, a maioria do público só os vai descobrir após terem passado da casa dos 40. Contudo,“Cidade Suspensa” não marca a estreia de um novo autor, mas um regresso, após 30 anos de ausência.

Nascido em 1963, Penim Loureiro é um autor que já tem alguma obra desenvolvida ao longo de cinco anos, entre 1979 e1984, em jornais como o Sete, O Diário, Notícia ou Diário Popular, nas revista Tintin, Jornal de BD, Ruptura, Ritmo, Amargem, no Boletim do CPBD e na revista espanhola Un Fanzine Llamado Camello. Nesse período de tempo, foi também presença regular em concursos e exposições de BD em Portugal.

Foi. Deixou de ser. Em 1984 abandona a BD para se dedicar à arquitectura e, mais tarde, à arqueologia. Parecia fadado a ser mais um – na extensa lista – dos “novos autores” que desaparecem sem deixar rasto pois nunca chegamos a ver a maturação do potencial que lhes é reconhecido, ficando só algumas curtas histórias como promessa de um talento promissor.

Quem consultar as rubricas dedicadas aos “novos autores”, que Geraldes Lino entre outros escreveram, pode constatar como é longo o o rol de autores promissores que desaparecem, Por vezes, parece que a BD nacional é constituída por duas classes: “os novos autores” e os eternamente “velhos autores” – como José Ruy ou José Garcês. Os novos autores são como o Peter Pan – eternamente novos – pois nunca chegam a desenvolver uma carreira de autores de BD, dedicando-se a outras artes e oficíos. Felizmente, nos últimos anos tem-se vindo a ter alguns autores que já atingiram a “meia-idade” com um produção regular de trabalhos. Seja por casmurrice (e mérito próprio dos autores portugueses) ou devido a pequenas editoras que foram surgindo – como a Polvo de Rui Brito, que agora patrocina o renascer de Penim Loureiro.

estudo de capa

O autor de “Cidade Suspensa” não tem pejo em admitir que o projecto é “mais um para adicionar às múltiplas de obras de catarse produzidas na actualidade”, contudo existem obras de ficção que vão para além da mera masturbação artística e permitem a catarse colectiva dos leitores que se deixam imergir nesse mundo, justificando o porquê da BD ser considerada uma arte.

Realizado sem ter nenhuma edição assegurada, a obra começou a ser revelada na página que o autor criou no Facebook para o efeito, posteriormente aqui no aCalopsia, e agora em álbum e na exposição que esteve patente no X Festival Internacional de Banda Desenhada de Beja, onde também estão visíveis alguns dos seus trabalhos mais antigos, permitindo (re)descobrir o seu passado e presente do Penim Loureiro, embora seja nas páginas do álbum que poderemos aferir que autor temos actualmente e que autor poderemos vir a ter no futuro.

“Cidade Suspensa” é uma autobiografia ficcionada “que procura arrumar, definitivamente, alguns episódios e questões reais por resolver”, foi deste modo que o autor apresentou a obra. Rui Brito, o editor, realça que é uma obra com “várias referências ao imaginário português”. Esta descrição algo vaga pode remeter para trabalhos intimistas e soturnos – poderá ser o caso, mas as primeiras imagens sugerem um ambiente mais jovial, embora denso. Fruto da utilização da cor realizada por Penim Loureiro, que captura o calor de África e a luminosidade de Lisboa. Uma da das primeira imagens a ser divulgadas, e que que chegou a ser considera para a capa do álbum, remete automaticamente para uma das obras de referência da ficção científica: “O Incal” de Alejandro Jodorowosky e Moebius. A sinopse aponta para um policial que se desenrola entre Lisboa e África com passagem por Bolonha e Nova Iorque, com malas misteriosas, ataques bombistas e uma trama que se desenrola ao longo de décadas. Um painel de azulejos onde a vida se torna ilegível com o tempo com a erosão do tempo. Os destinos interrompidos; as paixões imaginárias e as obsessões duma vida inteira conduzem as personagens “à insanidade, comungando uma amizade com duas caras; uma leal, outra enganadora”.

“Cidade Suspensa” possui ingredientes que aguçam a curiosidade e que me levaram a pré-publicar uma antevisão no aCalopsia, quando o álbum ainda não tinha editora. Este facto pode ter levado a alguns equívocos, como o convite para escrever este artigo (para o Spaft!). Não conheço Penim Loureiro, nem a sua obra passada – quando ele abandonou a BD eu ainda não sabia ler nem escrever. E confesso estar mais curioso em ver que autor temos no presente e que pistas esta obra deixa sobre o autor que podemos ter no futuro, do que olhar para o passado de um promessa que só agora se concretiza.O que já foi possível ver online justifica ler “Cidade Suspensa”, (re)descobrir, e avaliar, este “novo” autor que aos 50 anos renasce para a BD.


Artigo publicado no Spaft! – Caderno da Bedeteca de Beja Nº10, Maio de 2014. As fotos referentes à exposição no Conservatório Regional do Baixo Alentejo – integrado no X Festival Internacional de BD de Beja – foram retiradas do Kuentro, onde a versão original do texto foi publicada sem autorização do autor.

Written By
More from Bruno Campos

Um pequeno balanço de 2017

Terminou um ano que foi pelo menos, aparentemente, um bom ano para...
Read More

3 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *