A Grande Banda de Geral et Derradé


Existem autores que não têm uma editora e existem outros que têm duas, Geral e Derradé juntaram-se a esse restrito lote em Junho passado quando foi editado o álbum “BestOf: Tirado da Prateleira”, pela Calçada das Letras. É primeira colectânea de trabalhos antigos da dupla depois dos álbuns “Há Piores I” e “Há Piores II” (editados Polvo) terem recuperado alguns trabalhos já publicados para além de publicarem trabalhos inéditos.

“BestOf” reúne trabalhos produzidos entre 1993 e 2009 que foram publicados no jornal “Notícias de Alverca” e em vários fanzines auto-editados pelo duo sob a chanchela “Produções de MarDa”, mas sempre como os The BadSummerboys como protagonistas.

A editora Calçada das Letras, é uma chancela recente no panorama editorial mas com ideias firmes e sustentadas de como se pretende implementar num mercado tão competitivo como o ramo do livro. Tendo já editado livros em diversas áreas que vão desde o romance passando pelo livro histórico, os clássicos da literatura, a poesia, o futebol e que agora se estreia na edição de BD com o Geral et Derradé, um facto que não causará muita surpresa se tivermos em conta quando vemos que ligado à Calçada de Letras está Jorge Deodato, um dos fundadores da Polvo.

O editor, o dono da editora , a filha mais velha de Derradé e os autores.

Na introdução do álbum. que não pode ser lida de modo literal, é revelado que o primeiro número do “The BadSummerBoys Fanzine” vendeu 400 exemplares, o que deve ser uma piada, deviam querer dizer 4000! Mas a verdade é que o Jorge Deodato sabe como poucos uma coisa: pode não ficar milionário, mas não perde dinheiro com esta banda.

Quando Rui Brito regressou com a Polvo (a solo) foi buscar para o seu catálogo nomes como Rui Lacas, Paulo Monteiro, Cyril Pedrosa e Geral et Derradé! Pode parecer estranho, mas a aposta na dupla foi uma constante da Polvo nunca os abdicou de publicar em conjunto com algumas das obras mais aclamadas pela crítica, que salvo raras excepções ignorou o duo. Por isso não é de estranhar que o ex-sócio de Rui Brito na Polvo tenha ido buscar aquele para de jarras para esta sua nova aventura editorial.

Sejamos honestos, os Badsummeboys não são high art, são humor puro por vezes foleiros outras vezes rasca. O argumento não possuí um lirismo requintado que reflecte a dialéctica da arte e a sociedade. Contudo existem casos como no polémico slimzine/flipzine: “Sim/Não”, que foi publicado por altura de um referendo ao aborto e não se encontra republicado, em que capturaram toda a hipocrisia da sociedade; com bom humor retrataram o drama que estava inerente a quem se via apanhado num dilema, que servia de arma de arremesso ideológico.

E a arte! Bem a arte do Derradé é o que está à vista! Não vai ganhar prémios pelas inovações gráficas, é funcional, nada mais. Mas existe um público que tem alimentado os desvarios desta dupla! O motivo é simples: o Geral et Derradé têm piada, que é o que se pede a uma BD de humor. E é isso que nos servem nesta nova colectânea: bom humor.

The BadSummerBoys. O que são? Quantos são? Como são? A que sabem? Muitos os tentaram classificar: Anarquistas, Desordeiros, Ateus, Imorais, Amorais, Canalhas, Vândalos, Subversivos, Fofinhos…

Para os mais distraídos aqui fica uma listagem não exaustiva desta banda que é um duo:

  • “The BadSummerBoys Fanzine” (4 números entre 1993 e 1995 – o primeiro número vendeu mais de 400 exemplares);
  • “Herpes Labial” (número único – Outubro de 1997);
  • “In Prensa” (3 números com recolha de trabalhos publicados mensalmente no Notícias de Alverca entre Agosto de 1992 e Maio de 1998);
  • Slimzines “BadSummerBoys Band” (7 números entre 1997 a 2009);
  • Revista “HL Comix” (2 números entre Maio de 2006 a Agosto de 2006)
  • Livros da colecção Primata Comix da Polvo “Fúria”, “Fava!”, “Pai Natal – um estudo morfológico”, “ A 25 sempre a Abril!…”, “Há Piores !…” e “Há Piores !… 2 – Ainda mais profundo”  entre 1999 e 20012;
  • Um folheto comemorativo dos 10 anos dos BadSummerBoys em 1999;
  • Uma segunda fase no “Notícias de Alverca” entre Julho de 1998 e Junho de 2002;
  • Colaborações variadíssimas em inúmeros fanzines por esse país fora;
A categoria dos autógrafos!

“BestOf: Tirado da prateleira” já se encontra à venda nas livrarias, ainda vão a tempo de os descobrir.

Actualização: Por lapso estava indicado que os álbuns “Há Piores I” e “Há Piores II” eram colectâneas de trabalhos já publicados quando na realidade “Há Piores 1” tem trabalhos antigose novos inéditos (26 páginas e algumas tiras sortidas),  o álbum “Há Piores 2” só tem 11 paginas reeditadas.

Autor, editor, procrastinador profissional e irresponsável mor.

1 Comment

Deixar uma resposta

Show Buttons
Hide Buttons